Notícias

Comprovação de renda trava crédito para caminhoneiros.

O setor de veículos pesados vive momento de expansão no país, com alta de 15,81% nos emplacamentos de caminhões até setembro na comparação com o mesmo período de 2012. A elevação das vendas poderia ser ainda maior não fossem as exigências para a liberação de financiamento.
Esse é o panorama que será apresentado no 19° Salão Internacional do Transporte, que será realizado no pavilhão do Anhembi, na zona norte de São Paulo. O evento será aberto ao público na próxima segunda-feira.
“Linha de crédito existe, mas é burocrática”, diz o presidente da Fenatac (Federação Interestadual das Empresas do Transporte de Cargas) e vice-presidente da NTC&Logística, José Hélio Fernandes.
Sem conseguir comprovar renda, caminhoneiros autônomos são os mais prejudicados. Pesam ainda o fato de eles não terem condições de pagar valores elevados de entrada ou bens que sirvam de garantia.
O mercado tem hoje diversas linhas de crédito. As opções com recursos do BNDES –o Procaminhoneiro, para pessoa física e pequena empresa, e o Finame PSI, para pessoas jurídicas– oferecem taxas de juros mais atraentes (4% ao ano até dezembro) e prazo para pagamento de até 10 anos.
“O BNDES tem recursos a baixo custo e, por isso, é uma excelente alternativa. Mas nem todo mundo consegue viabilizar a aprovação do crédito, pois os bancos seguem critério rigoroso na avaliação”, explica o diretor executivo de estudos e pesquisas econômicas da Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças), Miguel Ribeiro de Oliveira.
Como o financiamento é feito nos bancos, cabe a essas instituições avaliarem o grau de risco do cliente. “Crédito para pessoas com mais dificuldade de comprovação [de renda e documentação] é mais difícil de ser concedido”, reconhece o chefe do departamento de financiamento e máquinas e equipamentos da área de operações indiretas do BNDES, Paulo Sodré. Segundo ele, o órgão trabalha junto com associações de classe para tentar melhorar o processo e tornar o crédito mais acessível.
Fonte: Folha de S. Paulo.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Scroll Up