Notícias

Obras do Rodoanel são retomadas depois de 6 anos; governo quer ligação com aeroporto

A projeção do governo do estado de São Paulo é a de que o último trecho da obra seja entregue em setembro de 2026, ainda durante a gestão do governador Tarcísio de Freitas (Republicanos)

Depois de quase 6 anos de paralisação, as obras do Rodoanel Norte serão retomadas, nesta quinta-feira (25), em Arujá (SP), na região metropolitana de São Paulo (SP). A Via Appia é a concessionária responsável pela construção de um trecho de 44 quilômetros que completará o anel viário em torno da capital paulista.

O primeiro trecho do Rodoanel (Oeste) foi liberado para o tráfego em dezembro de 2001. A projeção do governo do estado é a de que o último trecho da obra seja entregue em setembro de 2026 – ainda durante a gestão do governador Tarcísio de Freitas (Republicanos).

Segundo reportagem publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, a conexão entre o Rodoanel Norte e o Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos (SP), acabou ficando de fora do contrato firmado com a Via Appia. No entanto, a Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp) diz que a ligação será feita por meio de um Termo Aditivo Modificativo entre o governo paulista e a concessionária.

A ideia é construir uma ligação exclusiva de 3,6 quilômetros entre o Rodoanel e o maior aeroporto do país. Trata-se de uma reivindicação antiga dos usuários.

Atualmente, o principal acesso ao aeroporto é a Rodovia Hélio Smidt (SP-109), que se conecta a outras duas rodovias – Dutra e Ayrton Senna. Estas últimas absorvem todo o tráfego da Marginal Tietê, uma das vias mais movimentadas de São Paulo.

O objetivo do governo estadual é o de que, com a conexão entre o trecho Norte do Rodoanel e o aeroporto, os motoristas vindos das zonas sul e oeste da capital, além das cidades do oeste da região metropolitana, do interior e do litoral possam chegar à zona aeroportuária sem ter de enfrentar o trânsito da Marginal.

De acordo com o CEO da Via Appia, Brendon Azevedo Ramos, ainda não há uma data definida para a assinatura do aditivo. Também não há previsão sobre o valor do investimento.

“Quando foi feito o edital de licitação, essa reivindicação já existia. Não está no contrato, mas pode ser adicionado. Desde que assinamos o contrato, discutimos com o governo do estado e com a prefeitura de Guarulhos a melhor forma de fazer esse acesso”, afirmou Azevedo Ramos ao Estadão.

“Estamos trabalhando nisso. A ideia é ter entre as rodovias Fernão Dias e Dutra uma alça para dar acesso à região metropolitana de Guarulhos e ao aeroporto. A gente tem de atender à demanda de cargas do aeroporto, que é significativa, mas também precisa atender a população da região”, diz o executivo.

Trecho Norte do Rodoanel

O Rodoanel Norte ligará a rodovia Presidente Dutra, em Arujá, à rodovia dos Bandeirantes, nas proximidades da avenida Raimundo Pereira de Magalhães, na capital paulista. Ao todo, com a obra do último trecho, o anel viário terá 176 quilômetros de extensão.

O leilão para a concessão do trecho Norte do Rodoanel ocorreu em março do ano passado. A Via Appia foi a vencedora e será responsável por investimentos e pela exploração do sistema rodoviário por 31 anos.

A previsão de investimento total da concessionária é de R$ 2,55 bilhões, de acordo com a Artesp. O poder público aportará mais R$ 1 bilhão.

“Com seis meses de antecedência em relação ao prazo contratual da Via Appia e investimento estimado em R$ 3,4 bilhões, as obras devem gerar mais de 10 mil empregos até a conclusão”, disse o governo de São Paulo, por meio de nota.

Obras suspensas em 2018

As obras do Rodoanel Norte foram interrompidas em 2018, após o Ministério Público do Estado de São Paulo (MPSP) apontar indícios de superfaturamento e irregularidades. Com isso, novos processos de licitação foram abertos.

Em dezembro de 2018, a Desenvolvimento Rodoviário SA (Dersa), antiga estatal paulista, hoje extinta, rescindiu os contratos do Rodoanel Norte que estavam sob responsabilidade das construtoras OAS e Mendes Junior. As empresas, à época, foram investigadas pela Operação Lava Jato.

O governo de São Paulo atribui o longo período para a retomada das obras à necessidade de uma revisão do traçado do Rodoanel Norte, que passa por áreas de preservação ambiental. Também foi preciso corrigir falhas em projetos apontadas por vistorias técnicas.

Fonte: InfoMoney

Compartilhe: