Notícias

Prévia indica inflação no menor nível para novembro desde 2003, aponta IBGE

O índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), que é uma prévia da inflação oficial do país, desacelerou e ficou em 0,19% em novembro, o menor resultado para o mês desde 2003 (0,17%), segundo informou nesta sexta-feira (23) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A taxa de novembro ficou 0,39 ponto percentual abaixo da registrada em outubro (0,58%) e veio mais fraca que o esperado pelo mercado. Pesquisa da Reuters com economistas estimava alta de 0,24% para o período.

Com a desaceleração, a inflação acumulada em 12 meses recuou para 4,39%, voltando a ficar abaixo do centro da meta do Banco Central, que é de 4,5% para 2018.

No acumulado de janeiro a novembro, a variação ficou em 4,03%.

 

Preço do tomate dispara 50%
Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados pelo IBGE, 4 registraram deflação: habitação (-0,13%), saúde e cuidados pessoais (-0,35%), comunicação (-0,02%) e educação (-0,01%).

O maior impacto no índice de novembro veio dos preços dos alimentos e bebidas, que registraram alta de 0,54%, respondendo por mais de dois terços do IPCA-15 de novembro. Entre os maiores aumentos, destaque para o tomate (50,76%) – maior impacto individual no índice do mês -, a batata-inglesa (17,97%) e a cebola (10,01%).

Veja as variações dos grupos pesquisados:

Transportes: 0,31%
Alimentação e bebidas: 0,54%
Habitação: -0,13%
Artigos de Residência: 0,59%
Vestuário: 0,02%
Saúde e cuidados pessoais: -0,35%
Despesas pessoais: 0,38%
Educação: -0,01%
Comunicação: – 0,02%

Alta dos combustíveis desacelera
Os preços do grupo dos Transportes tiveram alta média de 0,31%, mas mostrou desaceleração em relação ao mês anterior, quando havia subido 1,65%, principalmente por conta dos combustíveis, segundo o IBGE.

A gasolina subiu 0,05% em novembro, após ter disparado 4,57% em outubro, apontando que a queda dos preços nas refinarias ainda não chegou aos postos. No etanol, a alta foi de 3,32% (ante 6,02% em outubro). Já o preço do diesel avançou 1,38%, após subir 5,71% em outubro.

Também contribuiu para a desaceleração da inflação em novembro o item energia elétrica, que recuou 1,46%, favorecida pela mudança da bandeira tarifária, que passou de vermelha para amarela desde 1º novembro.

No item habitação, a maior contribuição foi do gás de botijão, que havia apresentado alta de 0,46% em outubro, e registrou queda de 0,37% no IPCA-15 de novembro.

Já no grupo Saúde e cuidados pessoais, a deflação foi resultado principalmente da queda dos preços dos produtos farmacêuticos (-0,28%) e de itens de higiene pessoal (-2,56%).

Regionalmente, todas as áreas pesquisadas apresentaram desaceleração da inflação em novembro. A maior alta foi verificada em Goiânia (0,42%) e, o menor resultado, na região metropolitana de Salvador (-0,03%).

Meta de inflação e taxa de juros
A previsão dos analistas para a inflação em 2018 caiu para 4,13%, segundo a última pesquisa Focus do Banco Central.

O percentual esperado pelo mercado continua abaixo da meta de inflação que o Banco Central precisa perseguir neste ano, que é de 4,5% e dentro do intervalo de tolerância previsto pelo sistema – a meta terá sido cumprida pelo BC se o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ficar entre 3% e 6%.

A meta de inflação é fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Para alcançá-la, o Banco Central eleva ou reduz a taxa básica de juros da economia (Selic), atualmente em 6,5% ao ano.

Para 2019, os economistas das instituições financeiras mantiveram sua expectativa de inflação estável em 4,22%. A meta central do próximo ano é de 4,25%, e o intervalo de tolerância do sistema de metas varia de 2,75% a 5,75%.

Em 2017, a inflação oficial do país ficou em 2,95%, fechando pela primeira vez abaixo do piso da meta fixada pelo governo, que era de 3%.

Metodologia
Para o cálculo do IPCA-15, os preços foram coletados no período de 12 de outubro a 12 de novembro de 2018 (referência) e comparados com aqueles vigentes de 14 de setembro a 11 de outubro de 2018 (base). O indicador refere-se às famílias com rendimento de 1 a 40 salários mínimos e abrange as regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife, São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador e Curitiba, além de Brasília e Goiânia. A metodologia utilizada é a mesma do IPCA, a diferença está no período de coleta dos preços e na abrangência geográfica.

Fonte: G1.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Receba nossa newsletter!

Fique por dentro das novidades do setor.

© 2020 – Sindicato das Empresas de Transportes e Cargas de Campinas e Região – SINDICAMP – Todos os direitos reservados | Desenvolvido por PrinciWeb