Notícias

Desafios e rumos do trabalho sindical junto às empresas do transporte rodoviário de cargas

Empresário do setor compartilha visão e expectativas para 2024

 

Diante dos desafios econômicos e das transformações legislativas que impactam significativamente o setor de transporte rodoviário de cargas (TRC) no Brasil, como a desoneração da folha de pagamento e outras questões socioeconômicas em curso, as empresas desse ramo buscam suporte e orientação por meio dos sindicatos vinculados ao setor. Essa parceria visa fornecer informações sobre as atividades em processo e estratégias alinhadas aos interesses dos empresários, permitindo uma atuação mais assertiva no cenário atual.

Atualmente, existem mais de 50 sindicatos e federações reconhecidos e ligados ao transporte rodoviário de cargas conforme levantamento da Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística (NTC&Logística). Esse expressivo número de apoio sindical desempenha um papel estratégico e fundamental para o desenvolvimento empresarial das empresas logísticas.

Para José Alberto Panzan, diretor da Anacirema Transportes e presidente do Sindicato das Empresas de Transporte e Cargas de Campinas e Região (Sindicamp), o papel sindical no desenvolvimento das empresas do setor é de extrema importância: “Associar-se a um sindicato possibilita uma série de benefícios para as empresas se desenvolverem. É participando de um sindicato que o empresário pode levar suas demandas em relação a ações de melhorias não apenas para sua empresa, mas para o setor como um todo”, comenta o executivo.

No início deste ano, muitas transportadoras já delinearam seus planos estratégicos, almejando um futuro promissor ao longo do período para seus negócios, considerando que o setor de serviços, que abrange o transporte rodoviário de cargas, encerrou o ano de 2023 com um desempenho positivo, acumulando um crescimento de 2,3%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Para apoiar os empresários logísticos nesse processo de crescimento, as associações sindicais podem desempenham um papel importante conforme comenta o executivo. “Estamos otimistas em relação a 2024, pois nosso planejamento incorporou uma nova área de negócios, e ao nos associarmos a um dos sindicatos de nosso setor, permanecemos constantemente atualizados e assessorados quanto à legislação, a boas práticas de gestão, a inovações e a novas tecnologias e tendências de mercado. Além disso, mantemos contato estratégico com importantes stakeholders, como universidades, institutos de desenvolvimento, pesquisas e agentes do governo”.

 

Desafios e a contribuição dos sindicatos em 2024

 

Dentre os desafios que estão por vir e os que ainda estão em curso jurídico, as transportadoras podem ainda enfrentar a insegurança jurídica trabalhista e tributária, além da falta de mão de obra, um desafio constante do setor. Nesse quesito, Panzan acredita na necessidade de uma visão mais clara do cenário atual, para um planejamento mais estruturado das empresas: “É aí que os sindicatos podem nos ajudar, trabalhando junto aos órgãos governamentais e buscando parcerias estratégicas, compartilhando esse processo de troca com seus associados”.

Assim, a colaboração entre empresas e sindicatos em 2024 torna-se uma ferramenta indispensável para superar obstáculos e promover um ambiente operacional favorável ao crescimento sustentável do setor de transporte rodoviário de cargas no país.

Fonte: Assessoria de Imprensa

Compartilhe: