Notícias

SEST SENAT lança novos cursos do programa Transporte Seguro

Capacitações buscam soluções para prevenir roubos na atividade transportadora e fortalecer a segurança do transporte de cargas no país

O SEST SENAT lançou, em fevereiro, três novos cursos no âmbito do Programa Transporte Seguro. O projeto faz parte de uma parceria com o Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) e a Organização dos Estados Iberoamericanos (OEI), e tem o intuito de fortalecer e ampliar ações de prevenção a crimes relacionados à atividade transportadora.

Agora, estão sendo ofertados três novos cursos na modalidade de ensino a distância (EaD) e autoinstrucional. Voltados para agentes públicos, motoristas de transporte de cargas, gestores de frota e responsáveis pela operação do transporte de cargas, os cursos são gratuitos, somam carga horária total de 36 horas e ainda contam com certificado de conclusão.

As novas capacitações tratam da legislação aplicada do sistema de segurança, do planejamento e a operação no transporte de cargas e dos aspectos legais da operação do transporte de cargas. Com elas, espera-se destacar a importância da atuação conjunta do mercado e da segurança pública para prevenir roubos de cargas e outros crimes.

As aulas já estão disponíveis na plataforma EaD do SEST SENAT. Confira a seguir:

Para participar, basta ter uma conta na plataforma. As aulas podem ser assistidas por celular, computador, notebook e outros dispositivos com conexão à internet.

Outros lançamentos

Em novembro, já haviam sido lançados os dois primeiros cursos do Programa Transporte Seguro, que tratam de roubo de cargas no transporte e do sistema de segurança pública e privada no Brasil. Eles também estão disponíveis na plataforma EaD do SEST SENAT:

Em março, outros quatro cursos devem ser lançados, totalizando as nove capacitações que compõem todo o Programa Transporte Seguro. Os novos temas a serem abordados serão gestão e segurança, ferramentas tecnológicas, recrutamento e seleção e comportamentos de segurança para o transporte de cargas.

Fonte: CNT/ Foto: Reprodução

Compartilhe: