Notícias

Secretário de Segurança do Rio diz que roubos de carga financiam armas

O Secretário de Estado de Segurança (Seseg), general Richard Nunes, apresentou na segunda (16) as iniciativas de prevenção e valorização dos agentes de segurança e as estratégias da pasta para a preservação da vida e a diminuição dos índices de criminalidade, como os crimes contra a vida e contra o patrimônio, que, segundo a secretaria, é fonte de financiamento do narcotráfico para a aquisição de armas de guerra.

Richard Nunes mostrou os dados divulgadas pelo Instituto de Segurança Pública que revelam a redução de importantes indicadores de criminalidade. “O roubo de carga financia a criminalidade para a compra de armas. Coibir o roubo de veículo é proteger a vida, porque 43% dos latrocínios ocorrem nos roubos de automóveis”, completou.

A apresentação foi durante uma reunião com a Defensoria Pública da União, o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, a Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro, o Gabinete da Intervenção Federal e a Secretaria de Estado de Direitos Humanos e Políticas para Mulheres e Idosos.

Entre as ações de valorização, prevenção e preservação da vida, o secretário apontou o aprimoramento dos atos normativos das Polícias Civil e Militar, com base nos protocolos operacionais para áreas sensíveis, localidades em que, conforme a Seseg, se presume possa ocorrer elevado risco de confronto armado com criminosos em consequência de operação policial.

Outro ponto em destaque pelo secretário, como medida protetiva para a população, foi o Aplicativo Emergência RJ, que existe desde 2016. Com ele, o usuário pode fazer denúncias que vão direto para a Central do 190. O aplicativo terá, em breve, uma nova funcionalidade que permitirá à população receber as informações de operações policiais na área em que ele estiver localizado.

Richard Nunes comentou ainda o aplicativo ValoraSeg, desenvolvido pela Subsecretaria de Educação, Valorização e Prevenção que amplia, qualifica e padroniza o atendimento às vítimas de crimes contra grupos vulneráveis: crianças e adolescentes, mulheres, LGBT, idosos e vítimas de crimes raciais e intolerância religiosa. Ainda conforme o secretário, houve visitas às regiões integradas de Segurança Pública (Risp), principalmente as do interior, para conhecer as necessidades dos agentes de segurança, e das unidades operacionais daquelas regiões.

Fonte: Agência Brasil.

Compartilhe:

Receba nossa newsletter!

Fique por dentro das novidades do setor.

© 2022 – Sindicato das Empresas de Transportes e Cargas de Campinas e Região – SINDICAMP – Todos os direitos reservados | Desenvolvido por PrinciWeb