Notícias

Retrospectiva 2020 do setor de transporte de cargas no Brasil

O transporte de cargas enfrentou altos e baixos no Brasil em 2020. Com a pandemia do novo coronavírus, o País praticamente parou. E o faturamento de transportadoras e frotistas despencou no primeiro trimestre. Ao mesmo tempo, as fábricas paralisaram a produção de caminhões.

No entanto, setores como agronegócio, comércio eletrônico e construção civil voltaram a se aquecer. Consequentemente, a demanda por frete cresceu a partir do terceiro trimestre.

Mas a economia voltou a recuperar. Com isso, a venda de caminhões novos aumentou de forma repentina. E o setor de transporte de cargas voltou a respirar.

Contudo, a produção não acompanhou a demanda. Com isso, a fila de espera por caminhões zero-km cresceu. E empresas que precisavam de veículos novos tiveram de recorrer ao usado.

Ao mesmo tempo, o roubo de carga recuou. Isso foi resultado da redução do movimento de veículos nas estradas. Inclusive o de caminhões e ônibus.

Enquanto isso, serviços com a locação de caminhões ganharam força. Assim como a oferta de opções aos motores a diesel. Neste meio tempo, a Scania chegou à marca de 50 caminhões a gás vendidos no Brasil.

O Estradão listou alguns dos fatos que mais marcaram o setor em 2020. Confira abaixo.

Transporte de carga ganhou novo cálculo para o frete

No início do ano o governo aprovou uma resolução com novos parâmetros para o cálculo do frete  Em suma, o piso mínimo passou a incluir o valor das diárias do caminhoneiro. Além disso, a carga do tipo pressurizada, comum no transporte de produtos químicos, foi incluída na tabela.

Depois disso,  as tabelas de pisos mínimos foram elaboradas conforme as especificidades da carga. E divididas em categorias. Por exemplo: carga geral, a granel, frigorificada, perigosa, neogranel e pressurizada.

Por fim, quem contratar serviço de transporte rodoviário de cargas e pagar abaixo do piso mínimo estabelecido pela Agência Nacional de Transportes Terrestres, ANTT pode ser multado. Os valores vão de R$ 550 a R$ 10.500

Paralisação das fábricas

Com a pandemia, as fabricantes de caminhões suspenderam a produção temporariamente. No fim de março, Mercedes-Benz, Scania, Volkswagen Caminhões e ônibus e Volvo pararam primeiro. Depois, a produção voltou de forma gradual a partir de abril. Enfim, foi normalizada em junho.

Contudo, não no mesmo ritmo de antes da pandemia. Desde então, o índice de ociosidade é de 60%. O dado é da Associação Nacional das Fabricantes de Veículos Automotores, a Anfavea.

Contudo, as empresas ainda estão cumprindo os protocolos de segurança sanitária. Por isso, o ritmo de produção ainda continua lento.

Queda de 36% na produção

Em junho, a Anfavea previu que as vendas de caminhões novos cairiam 36% em 2020. A expectativa era de vender apenas 65 mil unidades no ano.

No entanto, antes da pandemia as projeções de vendas eram de 110 mil caminhões. Ou seja: a expectativa era de queda de mais de 40%.

Na época, a Anfavea avisou que as projeções poderiam mudar. E foi o que ocorreu. Com a expansão do agronegócio e de outros setores da economia, a estimativa de queda mudou para 18%.

Ou seja, vendas de 83,5 mil unidades em 2020. Ao que tudo indica, essa previsão se concretizará. No acumulado de janeiro a novembro, a indústria já emplacou 76.431 caminhões.

Adiamento do Euro 6 para 2025

A Anfavea informou em agosto que iria pedir o adiamento do Proconve 8 ao governo. No entanto, a nova fase do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores deve entrar em vigor em 2023. O programa brasileiro é equivalente ao Euro 6, que já está em vigor na Europa.

Presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes disse que um dos motivos para o pedido era a queda nas vendas. De acordo com ele, a crise gerada pelo novo coronavírus derrubou a receita do setor em 40%.

Por fim, o executivo disse que as fabricantes continuam apoiando o programa de controle de poluição. “Nós estamos comprometidos com o Proconve desde o início, na década de 1980.

Também de acordo com a Anfavea, implementar a nova fase do programa é muito caro. Segundo a associação, o investimento necessário é de R$ 12 bilhões. Isso inclui automóveis e veículos pesados.

Valor do frete defasado em 13,6%

Segundo um estudo da NTC divulgado em agosto, o valor do frete no País estava defasado em 13,6%.  Além disso, as transportadoras ofereciam descontos de 4,7% nos contratos.

O levantamento foi feito pelo Departamento de Custos Operacionais (Decope) da NTC. E contou com a participação de 7.236 transportadoras.

Entre o fim de maio e o início de junho, surgiram os primeiros sinais de recuperação. No levantamento mais recente da NTC, feito entre os dias 22 e 26 de junho, a retração apurada foi de 22,9%. Embora os números ainda fossem negativos, já mostravam que a tendência de recuperação continuava firme.

Promessa de renovação da frota

Em agosto, o governo federal prometeu que haveria um plano nacional de incentivo à renovação da frota. A informação é do Secretário do Desenvolvimento do Ministério da Economia, Gustavo Ene.

Inicialmente, o plano foca veículos pesados. “Estamos em um alinhamento final. Conversamos com governos estaduais e já temos sinalização positiva de seis Estados”, disse.

Além disso, a idade média da frota de caminhões aumentou. Passou de 9 anos e 7 meses para 11 anos e 7 meses. Os dados são do Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores (Sindipeças).

Ao considerar apenas os caminhões de autônomos, a idade média é de 17,9 anos. Os dados são da Agência Nacional dos Transportes Terrestres (ANTT).

A crise gerada pela pandemia pode agravar ainda mais essa situação. Ao mesmo tempo, as fabricantes de caminhões começaram a ganhar algum fôlego em julho. Contudo, o cenário ainda é negativo.

Queda no número de roubos de carga

As ocorrências de roubo de carga nas estradas federais do Brasil recuaram 27,1% em agosto de 2020. Foram 59 casos, ante os 81 registros feitos em agosto de 2019.

Na comparação do primeiro semestre (536 casos) com o mesmo período de 2019 (577), a queda foi de 7,1%. Os dados foram apurados pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) a pedido do Estradão.

A queda vem ocorrendo de forma gradual há três anos. Em 2019, o número de assaltos recuou 17,1% na comparação com 2018.

Na comparação de 2018 com 2017, a redução foi de 16,8%. Produtos alimentícios, combustíveis, farmacêuticos, cigarros e bebidas foram as cargas mais visadas pelos ladrões.

Essas informações fazem parte do relatório de 2019 feito pela Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística – NTC&Logística. A expectativa é de recuo entre 17% e 19% em 2020.

A estimativa é do assessor de segurança do Sindicato das Empresas de Transporte de São Paulo (Setcesp), Coronel Paulo Roberto de Souza. Para o especialista, a queda é resultado das ações de combate a crimes. Sobretudo as feitas pelos órgãos de segurança dos Estados.

Menos demissões a partir de setembro

A partir de setembro, o número de demissões no setor de transporte ficou estável pela primeira vez após três meses seguidos. A conclusão é de um estudo da CNT feito com 914 empresas do setor.

Das 40,6% empresas que demitiram por causa da retração nos negócios, mais da metade (55,3%) disseram que não fariam novos cortes de pessoal. Das que não demitiram, 83,8% pretendiam manter essa política até o fim de 2020.

Em abril, de cada dez empresas ouvidas pela CNT, quatro informaram que precisariam demitir. Na época, o volume de carga transportada havia recuado mais de 40%.

Vendas de usados: saída para as filas de espera

O aumento repentino da demanda a partir do segundo semestre fez a fila de espera por caminhões novos aumentar. Em consequência, a venda de caminhões usados disparou.

Em agosto, por exemplo, os dados da Fenabrave mostravam que o crescimento das vendas na comparação com julho era de 7,35%.

A loja de usados da Mercedes-Benz, Selec Trucks reportou migração de compradores de novos para os usados. Isso contribuiu para o aumento de 25% das vendas.

A alta se referia à comparação com os 1.070 negócios feitos de janeiro a agosto de 2020. No mesmo período de 2019, foram 854. Segundo o gerente da SelecTrucks, loja multimarcas de seminovos da Mercedes-Benz, Luiz Pereira, a alta foi resultado de pelo menos dois fatores.

O primeiro foi o aquecimento do agronegócio, impulsionado pelas exportações. “Isso fez com que motoristas agregados e pequenos transportadores tivessem de investir às pressas num caminhão”, diz.

Além disso, a falta de alguns modelos zero-km contribuíram para a alta na procura por usados. A opinião é compartilhada pelo presidente da NTC&Logistica, Francisco Pelucio. “Se não há novo, tem de ir para o caminhão usado”, disse o executivo em entrevista exclusiva ao Estradão.

Finame volta a crescer

Ao mesmo tempo, o Finame voltou a ganhar força como opção para o financiamento de caminhões novos no Brasil. A participação da linha de crédito do BNDES nos negócios cresceu 10 pontos porcentuais no primeiro semestre de 2020.

Ou seja, passou de 20%, no acumulado de janeiro a junho de 2019, para 30% nos seis primeiros meses de 2020. Os números foram divulgados pela Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras (ANEF). E inclui todas as modalidades de crédito oferecidas no mercado brasileiro.

Por outro lado, o Crédito Direto ao Consumidor (CDC) continua sendo o mais utilizada. Contudo, perdeu 12 pontos percentuais de participação.

Ou seja, passou de 60% no primeiro semestre de 2019 para 48% em igual período deste ano. Cortes na taxa básica de juros (Selic), puxaram o aumento da procura pelo Finame.

Fixada em 2% ao ano, trata-se do menor nível da história. Presidente da ANEF, Paulo Noman disse ao Estradão que as taxas de juros para CDC e Finame praticamente se igualaram. Com isso, o consumidor ficou mais interessado na linha do BNDES.

Locação de caminhões ganha força

Além disso, o mercado de locações ganhou mais representatividade em 2020. A Vamos, que faz parte do Grupo Simpar (ex-JSL) fechou uma compra de 1.350 caminhões da Volkswagen.

Os veículos estão sendo alugados para empresas dos setores de e-commerce e entregas urbanas. A  empresa investiu cerca de R$ 1 bilhão em 2020 para aumentar sua frota de caminhões para locação.

Menos de 1% da frota, de 3,3 milhões de caminhões, serve o mercado de locações. Mas o cenário começa a mudar, ainda que de forma lenta. E a Vamos desponta como uma das molas propulsoras dessa transformação.

Ao mesmo tempo, a tendência para locação também está chegando aos pequenos frotistas. A crise provocada pelo novo coronavírus levou muitos frotistas a optarem pela locação de caminhão.

A falta de crédito, causada pela insegurança do setor financeiro, é um grande entrave para transportadoras de pequeno porte. Assim como para autônomos que querem novos veículos.

Como resultado, empresas do setor de locação estão diversificando a oferta de serviços. Dessa forma, estão incluindo o pequeno transportador e o caminhoneiro autônomo entre o público-alvo.

A LM Frotas e a Marbor Frotas Corporativas são alguns exemplos. Na prática, oferecem o serviço de locação de caminhão para autônomos, micro e pequenos frotistas.

Desoneração da folha de pagamento

Em novembro o, Senado derrubou o veto presidencial à prorrogação da desoneração tributária da folha de pagamento. Isso inclui 17 setores da economia.

Juntos, empregam mais de 6 milhões de pessoas. O transporte rodoviário de carga é um deles. Afinal,  sozinho o setor gera 800 mil postos de trabalho. Segundo a Associação Nacional do Transporte (NTC&Logística), motoristas de caminhões ocupam uma parte significativa dessas vagas.

A desoneração da folha de pagamento ocorreu pela primeira vez em 2011. Na prática, foi resultado de uma medida provisória.

Ou seja, a continuidade da desoneração significa que os empregadores terão custos menores. Isso porque haverá menos tributos.

Presidente da NTC&Logística, Francisco Pelucio diz que essa medida é importante para a manutenção dos empregos. E, também, para que as empresas de transporte tenham fôlego para reforçar o caixa.

Em suma, não perdem a eficiência no atendimento. “Nosso objetivo é que venha logo a reforma tributária para eliminar esses impostos permanentemente”, diz Pelúcio.

Combustíveis alternativos

A Volkswagen Caminhões e Ônibus (VWCO) iniciou em agosto a produção do e-Delivery. O caminhão elétrico é feito na fábrica de Resende, no Rio de Janeiro.

Segundo o CEO da empresa, Roberto Cortes, as unidades de pré-série servem para treinar os operadores da linha de montagem. E também do Consórcio Modular.

Enquanto isso, em outubro a Scania revelou que vendeu 50 caminhões a gás natural veicular (GNV) no Brasil. A marca sueca apresentou o modelo na Fenatran, em 2019. Trata-se do maior salão de transportes da América Latina.

Segundo a fabricante, as transportadoras e grandes embarcadores compraram os veículos. Entre os compradores estão empresas como Pepsico. E também RN ExpressJomed LogCoopercarga e a TransMaroni.

Risco de parada

No início de dezembro, a Anfavea anunciou que a produção de veículos, sobretudo poderia parar por falta de insumos. Sobretudo os caminhões.

Segundo o presidente da associação, Luiz Carlos Moraes, a situação preocupa. E o risco de parada é alto, principalmente por causa da falta do aço. Mas também está faltando pneus e termoplásticos.

De acordo com Moraes, as exportações das empresas do setor siderúrgico não estão prejudicando o abastecimento no País. Contudo, há dificuldades em atender o mercado interno devido às diferentes especificações do metal.

Por fim, esse problema vai afetar a recuperação do setor. Aliás, em novembro a alta na produção foi superior a 5%.

 

Fonte: Estadão

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email