Notícias

Produção de veículos atinge bons números no primeiro trimestre do ano

Confira os resultados da indústria automotiva em março de 2024, segundo a ANFAVEA

 

Segundo dados divulgados pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (ANFAVEA), a produção de veículos no Brasil está em alta. A produção de 195,8 mil autoveículos em março foi a melhor em quatro meses e superou em 3,2% o volume de fevereiro.

No acumulado do trimestre, 538 milunidades deixaram as linhas de montagem, 0,4% a mais que no mesmo período do ano passado. “Acreditamos que os próximos meses serão marcados por aumento contínuo na produção, por isso apostamos muito na nossa previsão de alta de 6% para o ano”, explicou o Presidente da ANFAVEA, Márcio de Lima Leite.

Caminhões e Ônibus

A produção de caminhões no primeiro trimestre chegou a 29,3 mil unidades, 19,7% acima do mesmo período de 2023. Para ônibus, a alta é ainda maior, de 61,6%, com 6,5 mil chassis fabricados.

A produção de caminhões de março foi a mais alta em 12 meses, e a acumulada no trimestre já supera em 20% a do mesmo período do ano passado, mostrando que aos
poucos o setor se aproxima de seu patamar normal de mercado, após um período de adaptação provocado pelo Proconve P8.

Nas vendas internas, o indicador mais revelador do aquecimento é o da média
diária de emplacamentos, que dilui o efeito da quantidade de dias úteis em cada período. A média de 9,4 mil unidades em março cresceu 7,9% em relação a fevereiro e 8,5% sobre março de 2023. No ano, a média diária de emplacamentos já é 12,6% superior à do primeiro trimestre de 2023. O total de vendas em março foi de 187,7 mil unidades, mês com 3 dias úteis a menos que março do ano passado. 

Programa Mover

Desde o final do a no passado a ANFAVEA vem comemorando os anúncios de investimento, que já configuram um recorde histórico. Com novos aportes de fabricantes anunciados no último mês, o ciclo atual já supera R$ 123 bilhões de investimentos ativos desde 2021, sem contar os do restante da cadeia automotiva.

“Ficamos muito satisfeitos com a assinatura do decreto do Programa MOVER no mês passado pelo governo federal. Foi o resultado de muitas sugestões nossas às autoridades competentes, e também da Academia e do setor de autopeças. Temos a certeza de que estamos diante de um programa que será referência para o mundo em termos de descarbonização, com a liberdade de escolha para os consumidores, que poderão optar pela rota tecnológica mais interessante às suas necessidades”, afirmou Márcio de Lima Leite.

Compartilhe: