Notícias

Governo quer zerar rodovias em mau estado até 2014, diz ministro.

O ministro dos Transportes, César Borges, disse nesta segunda-feira (28) que o governo pretende reduzir a zero a malha rodoviária federal considerada “ruim” até o próximo ano. Atualmente, os dados do Ministério apontam que 12% das rodovias brasileiras estão nessa condição.
Borges falou para um público de empresários em almoço-debate organizado pelo Lide em São Paulo. Apesar de reconhecer a existência de gargalos, o ministro negou que a malha rodoviária federal esteja “péssima”. Segundo ele, a malha federal “está sendo toda coberta pelo programa Crema”, e os problema de tráfego serão resolvidos por meio da duplicação.
Durante sua palestra, o ministro destacou a importância das concessões e das PPPs (Parcerias Publico-Privadas) na área de transporte. Defendendo a necessidade de planejar, para saber escolher prioridades, o ministro destacou os leilões que vêm sendo feitos pelo governo federal em áreas como o petróleo e aeroportos.

— Queremos novo patamar de investimentos públicos e privados. Espero que as concessões tenham vindo para ficar. Este é um momento impar para o Brasil, com essas concessões.
Segundo o ministro, talvez haja um acúmulo, um excesso de oportunidades de parceria, devido à defasagem em muitos setores. Mas, ponderou, “esses programas sao importantissimos para que possamos resolver os problemas dos gargalos”.
Ferrovias
Borges dedicou atenção especial ao transporte ferroviário, que, segundo ele, passou anos esquecido no País — inclusive por ele, que, enquanto aluno de engenharia, optou por estudar o transporte rodoviário.
Para tentar recuperar o tempo perdido, o governo federal pretende construir 11 mil km de ferrovia nos próximos anos, além incrementar os custos da formação de engenheiros ferroviários no Brasil.
— A logística do Brasil ainda é muito dependente do transporte rodoviário. Isso é comum em muitos países, principalmente naqueles com dimensões continentais como a nossa. Estamos procurando botar de pé um sistema que possa expandir a malha ferroviária do País.
Ao comentar a situação das ferrovias brasileiras, o ministro disse que “estamos muito aquém das necessidades do nosso Brasil”. Segundo ele, o setor ficou muitos anos esquecido, o que acabou deixando dois terços da malha ferroviária sem uso.
Atualmente, as rodovias brasileiras respondem por 52% da logística nacional, destacou o ministro, enquanto o sistema ferroviário não passa de 30%. Borges disse que a meta é atingir, até 2019, um equilíbrio entre os sistemas rodoviário e ferroviário.
Fonte: R7.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Scroll Up