Notícias

Governo quer equidade de gênero e raça na logística

Empresas do setor aderem ao Programa Pró-Equidade no acesso ao mercado de trabalho e na remuneração. Interessados têm até o dia 30 de abril para se inscreverem.

Para combater ativamente as dinâmicas de discriminação e desigualdade de gênero e raça praticadas no ambiente de trabalho, o ministro dos Transportes, Renan Filho, assinou com a ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, em 03 de abril, protocolo de intenções para promover o Programa Pró-Equidade de Gênero e Raça.

O objetivo é incentivar a igualdade em acesso, remuneração, ascensão e permanência no emprego nas agências reguladoras e empresas públicas vinculadas ao Ministério dos Transportes e em toda a rede de companhias que atuam direta e indiretamente na infraestrutura rodoviária, ferroviária e logística do país.

Um total de 12 instituições do setor de infraestrutura e todas as concessionárias de rodovias federais assinaram documento de adesão coletiva, comprometendo-se a desenvolver ações para ampliar o acesso e promover igualdade salarial e de progressão profissional para mulheres em suas dependências. São elas:

• Infra S.A.

• Grupo CCR

• SEST/Senat

• ABCR

• CNT

• Grupo Arteris

• Grupo Triunfo

• Grupo EPR

• Ecorodovias

• ABRATI

• Abol

• Frenlogi

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no Brasil, as mulheres recebem 22% a menos que os homens. A diferença é ainda maior quando são considerados somente cargos de gerência e diretoria: elas ganham apenas 61,9% do rendimento deles. As mulheres negras recebem, em média, menos da metade do salário de homens brancos (46%).

Programa Pró-equidade de Gênero e Raça

Lançado em 2005, o Programa Pró-Equidade de Gênero e Raça é uma iniciativa do Governo Federal coordenado pela Secretaria Nacional de Autonomia Econômica e POLíTICA de Cuidados do Ministério das Mulheres. O objetivo é difundir novas concepções na gestão de pessoas e promover a igualdade de gênero e raça no que diz respeito às relações formais de trabalho e à ocupação de cargos de direção.

Coordenado pelo Ministério das Mulheres em parceria com o Ministério da Igualdade Racial, Ministério do Trabalho e Emprego, ONU Mulheres e Organização Internacional do Trabalho (OIT), o programa está em sua sétima edição. Podem participar empresas públicas e privadas, de médio e grande portes, com personalidade jurídica própria. O prazo para adesão vai até 30 de abril.

Clique aqui para informações adicionais e adesão.

Fonte: Frota&Cia

Compartilhe: