Notícias

Dívidas de IPVA em São Paulo serão protestadas em cartório.

Quem tem débito de Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) no Estado de São Paulo deve ficar atento.
É que a Procuradoria-Geral do Estado está protestando em cartório as dívidas do imposto estadual devido pelos donos desses veículos.
Entre dezembro de 2012 e outubro deste ano, a PGE levou a protesto as dívidas de 138 mil contribuintes (pessoas físicas e empresas, especialmente as de leasing), no valor de R$ 130,3 milhões. Em média, cada dívida protestada equivale a R$ 944.
Nessa primeira etapa estão sendo protestadas dívidas de 2010, segundo Eduardo José Fagundes, subprocurador-geral de Contencioso Tributário Fiscal da PGE. Nos próximos meses, serão levadas a protesto as dívidas de 2011, 2012 e deste ano.
Segundo dados divulgados pela PGE, de cada R$ 100 levados a protesto, em média R$ 14,30 retornam aos cofres da Secretaria da Fazenda paulista, responsável pela cobrança do IPVA. Dos R$ 130,3 cobrados em cartório, R$ 18,63 milhões já foram recuperados.
Fagundes diz que, embora pareça baixo, o índice de 14,3% de recuperação dos débitos é “satisfatório”. Segundo ele, num processo normal de execução fiscal o índice de retorno é inferior a 1%.
Um detalhe chama a atenção quanto ao pagamento dos débitos: desde fevereiro deste ano vem caindo o percentual de contribuintes (ver quadro no final do texto) que pagam a dívida. Em janeiro, o índice de pagamento era de 22,32%, em junho estava em 15,48% e em outubro foi de 8,36%.
Fagundes diz que a queda verificada não guarda relação com o fato de o contribuinte ter mais ou menos dinheiro em uma determinada época do ano. Segundo ele, o contribuinte paga a dívida quando precisa, por exemplo, licenciar ou vender o veículo.
O subprocurador-geral ressalta que o contribuinte em dívida com o Estado não pode, por exemplo, movimentar os créditos da Nota Fiscal Paulista. Isso quer dizer que ele não pode nem pedir a transferência dos créditos para sua conta bancária nem pedir a redução parcial ou total do IPVA do exercício seguinte.
Mas não são apenas essas as desvantagens de quem deve IPVA ao fisco paulista. Fagundes lembra que o devedor não pode licenciar o veículo (e sem licenciamento o veículo pode ser apreendido em uma fiscalização de trânsito), não pode ter crédito no comércio, não pode abrir conta em banco e também não pode vender um imóvel em seu nome (a dívida constará da certidão negativa estadual).
2013
Antes de encaminhar a dívida de IPVA para os cartórios (a cobrança eletrônica é enviada para os cartórios das cidades em que os veículos são licenciados), a Fazenda paulista envia um comunicado para o contribuinte devedor visando receber o imposto. É a chamada cobrança administrativa.
Neste ano, a Fazenda já notificou 1,882 milhão de donos de veículos usados licenciados no Estado, dos quais está cobrando R$ 1,413 bilhão em débitos do IPVA.
Até agora, foram notificados proprietários de veículos com placas finais 1 a 7. Até o final do ano, devem ser notificados os donos de veículos devedores com placas finais 8, 9 e 0.
Como Agir
O contribuinte que receber o comunicado da Fazenda tem 30 dias para pagar a dívida ou apresentar defesa. O comunicado traz as orientações necessárias para a regularização da dívida, incluindo a localização do posto fiscal mais próximo do domicílio do contribuinte.
O dono do veículo que não quitar o débito ou não apresentar defesa no prazo terá seu nome inscrito na dívida ativa do Estado de São Paulo (transferindo a administração do débito para a Procuradoria-Geral do Estado, que poderá iniciar o procedimento de execução judicial, com aumento na multa de 20% para 100%, além da incidência de honorários advocatícios).
O proprietário do veículo poderá pagar a dívida pela internet ou nas agências bancárias credenciadas (no serviço de autoatendimento ou nos caixas). Para isso, basta informar o número do Renavam do veículo e o ano do débito a ser quitado.
Para obter mais informações, os donos dos veículos podem entrar em contato com a Secretaria da Fazenda pelo telefone 0800-170110 e pelo site www.fazenda.sp.gov.br, no canal Fale Conosco.
Fonte: JC Net.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Scroll Up