Notícias

Agronegócio brasileiro cria quase sete mil vagas de emprego em outubro

O número de contratações com carteira assinada nas atividades da agropecuária, agroindústria, agrosserviços e insumos foi positiva, mesmo com verificado recuo a partir de janeiro. A terceira edição do informativo de emprego no campo da Confederação Nacional de Municípios (CNM) mostra a criação de quase sete mil novas vagas (14,2% do saldo do mercado de trabalho) em outubro. Foram criados 217.676 empregos e houve 210.760 desligamentos. Saldo positivo de 6.916.

Publicada nesta quinta-feira, 30 de novembro, o informativo aponta que essa movimentação ocorreu em 4.645 Municípios (83%); e deles, 2.327 (50%) apresentaram criação líquida de emprego, aumento de trabalhadores formais. Proporcionalmente, o insumo foi o grupo mais afetado por demissões. A agroindústria e o agrosserviços foram os grandes responsáveis pelo resultado, com 78% e 26% das novas contratações.

“Nos últimos três meses de cada de ano, o setor apresenta desaceleração no ritmo de criação de vagas com carteira assinada”, sinaliza o informativo da CNM. Contudo, o informativo mostra que em janeiro a disponibilidade de novas vagas foi de 44%, mas, uma tendência foi observada a partir de abril, quando a taxa foi de 14%. O saldo de empregos em outubro desde ano foi 79,5% inferior a setembro, e o resultado nacional foi de queda em 6,6%.

Cenário
Em comparação com 2022, as admissões de quase 218 mil novas vagas em todo o agro recuaram 14,7% entre janeiro e outubro. O fenômeno de desaceleração foi observado também no mercado de trabalho geral, que teve queda de 23,8% no mesmo período. Os Municípios com 25 mil e 100 mil habitantes – médio e pequeno porte – foram os mais afetados, com -9,8% e -9,7% oportunidades de trabalho. Já os Municípios de grande porte tiveram redução de 1,4%, mas acumulam queda de 25,8%, em relação a outubro do ano passado, e de 27,3% de janeiro para cá em relação ao mesmo período de 2022.

De setembro para outubro deste ano, o Nordeste teve -42,5% ofertas de trabalho e o Norte -5,8%. Mas, em comparação com o mesmo período do ano passado e considerando os últimos dez meses, as duas regiões ficam com saldo de criação de emprego positivo. As regiões com mais vagas de trabalho ligadas ao agronegócio, principalmente no abate de aves e suínos, foram o Sudeste e o Sul, com 35,7% e 26,2%.

Fonte: Notícias Agrícolas

Compartilhe: